Brasil e países da América do Sul defendem a produção de proteína animal

Em contagem regressiva para a Pré-Cúpula dos Sistemas Alimentares, que acontece na semana que vem em Roma, na Itália, o Brasil se uniu a países da América do Sul na publicação de uma nota técnica que defende a produção de proteína animal. Documentos publicados pelos organizadores da cúpula afirmam que, na busca por uma dieta mais saudável e sustentável, a redução do consumo de carne pode ser uma solução.

O documento intitulado “A carne bovina como ativo estratégico dos países do Conselho Agropecuário do Sul (CAS) e os desafios colocados pela Cúpula dos Sistemas Alimentares” foi organizado pelo Instituto Interamericano de Cooperação para Agricultura (IICA) e conta com apoio dos ministros de agricultura da Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Paraguai e Uruguai. A nota técnica destaca que o gado nas Américas representa 44% do todo o rebanho mundial e que a produção de carne bovina nos países do Conselho Agropecuário do Sul foi de mais de 14 milhões de toneladas em 2020, o equivalente a 24% da produção mundial.

Dessa forma, os países se preocupam com a Cúpula dos Sistemas Alimentares, que acontecerá em setembro em Nova York. A nota técnica traz que em um dos documentos iniciais de debate está exposta uma posição sobre a produção de proteínas animais em geral, e de carne bovina em particular, que não condiz com a natureza dos sistemas produtivos da região e com a evidência científica atual.

Os países afirmam que é relevante a necessidade de calcular, não somente a capacidade de emissão de gases causadores de efeito estufa pela produção de proteína animal, mas também o potencial de captura e sequestro de carbono dos diferentes sistemas. De acordo com um estudo conduzido pelo argentino Ernesto Viglizzo, as terras de pastagem estariam gerando um excedente de carbono. A nota técnica também cita outro estudo que recomenda a revisão do papel colocado para o metano emitido por plantas e animais em comparação ao gás carbônico gerado pela queima de combustíveis fósseis. As nações afirmam que a controvérsia na relação entre consumo de carne vermelha e a saúde humana segue de pé, e coloca que as recomendações para redução de consumo de carne vermelha presente em guias de dietas não estão sustentadas em evidências científicas sólidas que o consumo diversificado de carnes contribui para melhorar a qualidade da dieta da população.

Nas considerações finais, o conselho reforça que a sustentabilidade não é um conceito estático e que ela evolui de acordo com as demandas da sociedade. Diante do empobrecimento da população mundial por conta da pandemia de Covid-19, a nota técnica finaliza afirmando que a proposta de soluções feitas a partir da cúpula, se baseadas em negativas do consumo de proteína animal, pode encarecer os custos de produção nos principais países produtores, agravando os problemas de insegurança alimentar. Eles encerram: a pecuária sustentável deve ser estimulada para cumprir com seu papel de fornecer segurança alimentar e nutricional a todos os segmentos da população.

Abrir
Olá, precisa de alguma informação sobre a raça?