Amazônia tem espaço para criar 240 milhões de cabeças de gado sem desmatamento

“Das 80 milhões de cabeças de gado criado no bioma amazônico, é possível aumentar o rebanho em até três vezes sem fazer desmatamento”.

A produção de carne sustentável vem ganhando a adesão de empresas escala em frigoríficos como a Minerva, apoiados pela adesão de redes como o McDonald’s, que já inclui o produto no cardápio, e grandes supermercadistas.  “O Walmart e o Carrefour já comercializam a carne, e o Pão de Açúcar estuda formas de colocar o produto em suas lojas”.

O bioma amazônico é formado pelos estados do Norte, Mato Grosso e parte do Maranhão. Segundo Beduschi, no Mato Grosso se concentra a maior parte do rebanho bovino nacional, cerca de 29 milhões de cabeças que representam 16% do total de 180 milhões. Como a taxa de ocupação de gado no bioma é de 1,4 cabeça por hectare, o potencial de criação é de três vezes mais aproveitando os espaços abertos pela pecuária.

O GTPS é uma associação formada por grandes representantes da cadeia pecuária bovina, como produtores, indústrias, varejistas e fornecedores. O grupo tem estudos recentes que mostram que é possível reduzir de 70% a 90% de emissões por quilo de carne produzida aplicando práticas sustentáveis. “Isso diminuiria as emissões de 120 quilos de CO₂ para cerca de 40 quilos”, pontua Beduschi.

Para Beduschi, a pecuária feita de modo sustentável é a melhor forma de se desenvolver na Amazônia.

Fonte: O Estado de São Paulo, resumida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

Entre no Grupo!