Fluxo de bois de GO/MS cresce e explica mais a @ em viés de baixa em SP do que pastos bons

Entra de animais de fora em SP ajuda a manter a expectativa de firmeza nos estados onde são originados os bois

Os pecuarista Juca Alves, de Barretos, e Fábio Carneiro, do Vale do Araguaia, estão vendo aumento de trânsito de bois de Goiás e do Mato Grosso do Sul a São Paulo, e isso explica parte do alongamento das escalas e a queda da @ no principal estado consumidor e tira o foco do suporte que os pastos estão dando para os animais ficarem mais tempo nos pastos, que muitos acreditam ser o principal fator.

Enquanto mantêm mais firmes os preços nessas praças que estão originando os abates paulistas.

Já tem programação dos frigoríficos para a próxima semana e nesta segunda (29) – apesar de dia fraco em negócios – o boi só não perdeu no levantamento da Scot Consultoria, na base de R$ 157,00 (vista), segurando os mesmos últimos valores.

 Pela Agrifatto, foi residual, menos 0,04%, mas vai somando com as retrações vistas até sexta, e a média baixou para R$ 157,22 (vista). Tem negócios pouco acima, dependendo das condições dos lotes, têm, como a consultoria notou em Rinópolis e Irapuru, a R$ 158,00, mas outros também bem abaixo, entre os quais na também paulista Tupã, a R$ 156,00.

A Radar Investimento já vinha apresentando resultados menores e novamente, nesta segunda, o sócio Douglas Coelho, reafirmou os R$ 156,00/156,50.

A migração de boi daqueles estados, que o Notícias Agrícolas vem dando há duas semanas – e também confirmada, na sexta, por Francisco Brandão, vice-presidente do Siran/Araçatuba, a respeito do JBS Lins -, também se dá com pouco sustento da demanda.

Por: Giovanni LorenzonFonte: Notícias Agrícolas

A migração de boi daqueles estados, que o Notícias Agrícolas vem dando há duas semanas – e também confirmada, na sexta, por Francisco Brandão, vice-presidente do Siran/Araçatuba, a respeito do JBS Lins -, também se dá com pouco sustento da demanda.

Mas juntando isso e as vendas que vários produtores aproveitaram quando o boi chegou a R$ 160,00, na média das referências, as indústrias ficaram com estoques mais tranquilos.

Não há pressa, portanto, tanto que a programação já bate em 9,1 dias úteis em SP (Agrifatto), portanto, no geral, já cobre o quinto dia útil do mês. O repique pra cima deve ser residual e pontual, se houver.

Estabilidade regionais

A tabela da Scot está toda ticada em amarelo nos estados, o que mostra estabilidade. No à vista, Goiás R$ 140,00, Mato Grosso do Sul R$ 143,00 (Dourados) e R$ 144,00 (Campo Grande), Minas Gerais (Triângulo) R$ 148,00 e no Mato Grosso, na região mais cara, Cuiabá, R$ 141,00.

Praticamente a mesma estabilidade observada pela Agrifatto.

No caso de Goiás e MS, ainda tem oferta de pastos, mas os preços vão ficando firmes “com ajuda das compras de São Paulo”, torce Fábio Carneiro.

E não é só boi do Sul do estado, cujo fluxo é mais tradicional, é boi do Vale do Araguaia, como nós já havíamos comentado aqui também.

Por: Giovanni LorenzonFonte: Notícias Agrícolas

Deixe sua opinião!

Comentários

Por que Bonsmara?

"O aspecto mais importante da criação de gado de corte é sua adaptação a um ambiente específico."

- Prof. Jan Bonsma

Saiba mais sobre a raça Bonsmara e por que ela pode mudar a realidade de sua fazenda.

ddd
logo
Group-2-copy1
Menu Bonsmara