Exportação de proteína bovina sobe 2,99% em janeiro

Dados foram divulgados nesta sexta-feira pela Secex, do Ministério da Economia, e consideram 22 dias úteis

As exportações brasileiras de carne bovina in natura subiram 2,99% em janeiro em relação ao igual período do ano passado, para 102,4 mil toneladas. As proteínas de frango e suína in natura, no entanto, tiveram recuo no volume embarcado, no comparativo anual. Em receita, as três proteínas apresentaram resultado menor ante janeiro de 2018.

Os dados foram divulgados nesta sexta-feira, 1º de fevereiro, pela Secretaria de Comércio Exterior (Secex), do Ministério da Economia, e consideram 22 dias úteis. O avanço nas vendas externas de carne bovina, na variação anual, está atrelado ao ritmo de compras aquecido do mercado chinês, país que foi um dos principais compradores da proteína brasileira no ano passado. Em relação a dezembro, porém, houve queda de 19,15% no volume exportado, atribuída à sazonalidade da comercialização, visto que a demanda internacional normalmente é maior nos últimos meses do ano. A receita de janeiro somou US$ 383,9 milhões, redução de 9,77% ante os US$ 425,5 milhões de janeiro de 2018 e baixa de 20,51% ante os US$ 483 milhões de dezembro.

As exportações de frango in natura atingiram 260,7 mil toneladas em janeiro, volume 14,74% menor que o de janeiro de 2018 e 20,15% menor que o registrado em dezembro. A receita foi de US$ 407,5 milhões, baixa de 12,59% no comparativo anual e retração de 21,99% ante os US$ 522,4 milhões de dezembro. No mês passado, cinco plantas frigoríficas de frango foram desautorizadas a exportar para a Arábia Saudita e, para os próximos meses, o setor poderá contar com a diminuição das tarifas antidumping do produto embarcado para a China, que está em fase de negociação.

Os embarques de carne suína in natura totalizaram 41,9 mil toneladas em janeiro, volume 7,7% menor que os 45,4 mil toneladas registrados em igual período do ano passado e 12,34% inferior ao desempenho de dezembro. O faturamento do primeiro mês de 2019 alcançou US$ 84 milhões, queda de 14,02% ante os US$ 97,7 milhões de janeiro de 2018 e diminuição de 11,39% quando comparado aos US$ 94,8 milhões de dezembro. A expectativa é que as exportações de suínos se recuperem à medida que a Rússia retome o nível de compras da carne, após o fim do embargo anunciado em novembro último.

Fonte: ESTADÃO CONTEÚDO

Deixe sua opinião!

Comentários

Por que Bonsmara?

"O aspecto mais importante da criação de gado de corte é sua adaptação a um ambiente específico."

- Prof. Jan Bonsma

Saiba mais sobre a raça Bonsmara e por que ela pode mudar a realidade de sua fazenda.

Bonsmara-_-Redondo
logo
Group-2-copy1
Menu Bonsmara