Exportações têm sido fundamentais para as carnes, diz analista

Outubro foi de resultados positivos para produtos bovino e de frango e negativo para o suíno

Com um consumo interno mais fraco, as exportações têm sido importantes para os resultados da indústria de carne do Brasil, mesmo em um ano marcado por fatos como a Operação Carne Fraca. O país conseguiu reabrir mercados, além de viver um cenário de demanda externa aquecida, diz o analista da consultoria MB Agro, Cesar de Castro Alves.

“Em um ano em que o Brasil abateu mais animais, seria o caos se não houvesse a exportação. Fez muita diferença e foi muito bem vinda em uma em que o setor passou por turbulências”, resume Alves.

Em outubro deste ano, as exportações cresceram. Somadas carne bovina (in natura e industrializada), suína (apenas in natura) e de frango (in natura e processada), foram 559 mil toneladas, 18,6% a mais, de acordo com dados das associações que representam a indústria do setor. A receita aumentou 25,8%, com um faturamento de US$ 1,358 bilhão.

A Associação Brasileira da Indústria Exportadora de Carne Bovina (Abiec) reportou vendas externas de 144,6 mil toneladas em outubro, 39,7% a mais que no mesmo mês em 2016. Os exportadores faturaram 38,1% a mais: US$ 604,5 milhões.

Pelo menos nos últimos três meses, a indústria de carne bovina vem registrando resultados positivos. Em agosto, a Abiec registrou o melhor resultado neste ano até agora. Para Cesar Alves, é a combinação de uma demanda externa forte com uma ação rápida de reabertura de mercados.

“O mercado de boi está muito bom. Isso foi uma surpresa, justamente por conta da consequência da carne fraca. A oferta aqui é boa e competitiva. A demanda está boa lá fora, parte por conta da retração da Austrália. O Brasil está aproveitando gap em China e Rússia, onde compete com os australianos”, analisa Alves.

Em outubro, os chineses ficaram em segundo lugar no rankings dos principais destinos da carne bovina brasileira. Com 20,6 mil toneladas, ficaram atrás apenas de Hong Kong, com 35,7 mil. A Rússia foi o quinto maior comprador no mês passado, com 14,2 mil toneladas.

Na carne de frango, a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) reportou vendas de 365,5 mil toneladas de carne de frango em outubro, um aumento de 16,2%. A receita foi de US$ 634,4 milhões, 24,6% a mais que em outubro do ano passado.

Ao divulgar os dados, no início do mês, avaliou que o setor está se recuperando dos problemas e tende a fechar o ano com resultado positivo. Cesar Alves acrescenta que, em um cenário de preços internacionais relativamente estáveis, a demanda tem sido favorável.

A exceção de outubro foi a carne suína. Só do produto in natura, a ABPA contabilizou vendas externas de 48,9 mil toneladas, uma diminuição de 8,1% em comparação com o exportado no ano passado. A receita dos exportadores caiu 10%, para US$ 119,78 milhões.

Em que pese “questões mercadológicas pontuais” que afetaram os embarques nos últimos dois meses, a ABPA entende que o cenário é positivo. Ao divulgar os dados, a Associação destacou o desempenho positivo de mercados como Rússia, Cingapura, Argentina, Uruguai e Chile.

Para Cesar Alves, o resultado não é de todo ruim. Segundo ele, a base de comparação com o ano passado era alta. O analista da MB Agro destaca que a China reduziu suas compras, em meio a um movimento de recomposição de estoques.

O volume menor não significa, necessariamente, queda de receita no setor. No acumulado dos dez primeiros meses do ano, enquanto o volume in natura exportado caiu 4,6% (502,9 mil toneladas), o faturamento aumentou 14% (US$ 1,252 bilhão) em relação aos dez primeiros meses de 2016.

Deixe sua opinião!

Comentários

Por que Bonsmara?

"O aspecto mais importante da criação de gado de corte é sua adaptação a um ambiente específico."

- Prof. Jan Bonsma

Saiba mais sobre a raça Bonsmara e por que ela pode mudar a realidade de sua fazenda.

ddd
logo
Group-2-copy1
Menu Bonsmara