Projeções mostram o árduo caminho para a recuperação da pecuária de corte

O Brasil possui o maior rebanho de gado bovino do mundo, com 214 milhões de cabeças. Somos também o maior exportador de carne bovina

O Brasil possui o maior rebanho de gado bovino do mundo, com 214 milhões de cabeças. Somos também o maior exportador de carne bovina. Porém, apenas 20% da produção é encaminhado ao exterior. O restante é consumido pelo mercado interno. Levando em conta as análises de especialistas tanto as exportações quanto o consumo interno tendem a crescer nos próximos dois anos.

OTIMISMO

A ABIEC, associação que representa as empresas exportadoras de carne, prevê este ano uma exportação de carne bovina em torno de 1,76 milhões de toneladas, 20% a mais que no ano passado, o que pode representar um recorde histórico. Até então o maior volume exportado foi em 2007, quando foram embarcadas 1,62 milhão de toneladas.

Uma das explicações para tal projeção é a demanda que virá da Ásia, especialmente da China e Japão. O real desvalorizado torna o nosso produto mais acessível.

Um novo mercado a ser explorado é o norte-americano e mexicano. Há expectativa de que o mercado de carne in natura dos Estados Unidos seja definitivamente aberto. O México por sua vez, pode reduzir os impostos para o a carne brasileira.

MERCADO INTERNO

É fato que a carne bovina vem registrando queda no consumo interno. Mas o motivo é o preço elevado. Carne de frango e suína são mais baratas do que carne vermelha, que é logo substituída em tempos de crise e desemprego. No entanto o mercado dá sinais de reação e caso ocorra a retomada da atividade econômica, haverá mais vagas de emprego e gente com maior poder de compra.

O ano de 2016 fechou com uma inflação em torno de 7%. Prognósticos macros econômicos começam a convergir para inflação em 6% para 2017 e 5,4% em 2018. Se as estimativas de crescimento do PIB e inflação para os próximos anos estiverem corretas, o salário mínimo em 2018 pode chegar a R$ 1.002,70 e, em 2019, R$ 1.067,40.

PÉS NO CHÃO

Segundo a CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil) o agronegócio deve ter crescimento de 2% em 2017. Pela projeção da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento), no entanto, o segmento de carnes terá um ano difícil. Em 2016, custos altos da alimentação, inflação generalizada e arroba do boi estabilizada, trouxeram o desânimo ao mercado. Para 2017, uma coisa parece certa: a oferta de animais deverá ser maior, diferentemente de 2016, caracterizado pela baixa disponibilidade de bois para abate e carne sobrando.

Dispondo mais de gado, os frigoríficos procurarão conter o preço da arroba. A esperança é de um aumento no consumo interno, que caiu em 2016. Um refresco virá com a possível baixa no preço da comida para o gado, principalmente do milho, com as boas safras brasileira e dos EUA.

Analistas aconselham o produtor a gerir bem os custos de produção dando foco também no incremento da produtividade. O preço da arroba não deverá superar os R$ 150, cotação que praticamente pautou os anos de 2015 e 2016.

Ou seja, o momento é de fazer as contas na ponta do lápis e observar as perspectivas para 2017 com cautela.

 

Pensando em investir na pecuária de corte?

Escolher as melhores raças de gado de corte e bons exemplares para formar o seu rebanho é essencial para aumentar a produtividade e os lucros do seu negócio.

É destaque em qualidade de carne e se firma no mercado gourmet. No final de todo o trabalho árduo do criador, o que realmente importa é entregar uma carne de qualidade. Pensando nisso, muitos açougues premium em todo o Brasil se preocupam em comprar carne da raça Bonsmara.

 

Por que Bonsmara?

"O aspecto mais importante da criação de gado de corte é sua adaptação a um ambiente específico."

- Prof. Jan Bonsma

Saiba mais sobre a raça Bonsmara e por que ela pode mudar a realidade de sua fazenda.

ddd
logo
Group-2-copy1

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *